Re-booting industry for the digital age

Industry 4.0 will see intelligent machines and smart factories usher in a new era of manufacturing. This is the fourth industrial revolution, and it will impact everything.

Massive industrial change is afoot, fuelled by the advancement of digital technologies. The fusion of physical and virtual worlds into a cyber-physical system will have a disruptive impact on every element of manufacturing.
This transformation, referred to as ‘Industry 4.0’, has the potential to retool global industry and reorder the global economy.
First introduced by the German government to promote the computerisation of manufacturing, the term Industry 4.0 refers to a fourth industrial revolution – following those ushered in by steam power, electrical power and computing. The German government has since promoted the concept vigorously as a means to new economic growth.
It has good reason to. Countries that lead this new industrial charge stand to make significant gains in terms of economic productivity. For some, and for Western Europe as a whole, it presents an opportunity to reverse an epic decline that has lasted a generation.

ECONOMIC IMPERATIVE

In the past two decades, European industry has struggled. Marginal gains in Germany and Poland have been offset by the lengthening shadow of deindustrialisation in other territories, notably in the UK, France and Spain. Overall, Western Europe’s contribution has slumped by 10 per cent, from around 35 per cent of total industrial output in the early 1990s.
At the same time, emerging economies have doubled their share to 40 per cent. And where new manufacturing jobs have been plentiful in markets such as China, in Europe they have vanished – by eight per cent in Germany and as much as 29 per cent in the UK.
Germany has so far led with the concept of Industry 4.0 in Europe, and started to set down new standards around it. The US, which brands the concept as the ‘industrial internet’, established the Smart Manufacturing Leadership Coalition as far back as 2012 to encourage industry to collaborate on new technological platforms and standards.
The world’s new economic powers are also engaged. In South Korea, the government has introduced legislation to promote IT integration initiatives with key sectors, such as automotive and shipbuilding, and set up innovation centres to help development.
Similar work is underway in the world’s largest manufacturing economy, China, which has just launched a major new initiative, dubbed ‘Made in China 2025’, to restructure and streamline key industrial sectors and raise their global competitiveness.
For industry, the race to shorten production times, reduce costs and improve quality never lets up. Something has to change, or else something has to give. “A best-case scenario is the introduction of new industrial technologies,” says Xin Yongfei, vice president of policy and research at the China Academy of ICT. “There is an opportunity now for developed countries to rethink industrial development.”

TECHNOLOGICAL PROGRESS

These technologies are available already. By 2025, 100 billion connections – 90 per cent from intelligent sensors in machines of all kinds – will link the globe as a direct result of information and communication technologies (ICT), reckons Huawei, a leading global provider of information and communications ICT solutions.
Everything that can be connected will be connected, as an ‘Internet of Things’ (IoT). Computing has gone from the boardroom to the street, and is now finding its way into the nerve endings of industry. Its chief protagonists are looking to build a grand industrial system that integrates all manufacturing processes and enables the exchange of information between them in real time.
Traditional industries now have an unprecedented degree of integration between information, communication and manufacturing systems at their disposal, including:
·         smart sensors that knit together an industrial IoT, allowing real-time data collection during production processes;
·         ubiquitous broadband, allowing large amounts of data to be transmitted between people, machines and production sites;
·         cloud computing, allowing the instant storage and availability of date at any location, and;
·         big data analytics, allowing huge volumes of data to be processed collaboratively.
 “The scale is vastly different. There are seven billion people on this planet, and the scale at which we currently connect is in the several billions. But for the industrial Internet of Things, we will need to connect hundreds of billions of devices. What kind of a network can accommodate so many devices at a reasonable cost?”
It’s not just cost, however. Yan Lida might as easily point to other challenges with current network technology, such as latency, security and fragmentation. In this new era, business and mission critical data will rely on real-time communications. Data will be carried on both public and private networks, and stored in the cloud. Data networks with lower-latency connections and more robust security features are required.
More than this, better-defined standards are required to ensure interoperability of networks, devices and services across industry.

COMMUNICATIONS NETWORK

Huawei has the answer, with its ‘smart and connected industrial network’ solution. In essence, this comprises a data network, a chipset and a gateway, each designed specifically for large-scale industrial processes, collaboration and machine communications.
Its ‘enhanced’ LTE (eLTE) network, a private enterprise version of the consumer 4G (LTE) technology, can carry a variety of services and integrate with fibre broadband and other voice and data solutions. Its next-generation 5G networks will provide still higher capacity and lower latency, which is something akin to the girth of the communications pipe itself and the speed at which information is passed between two points along it.
5G can support one million connections within a radius of one square kilometre, and latency of just one millisecond, which is an improvement of 1,000 times and 50 times, respectively, compared with existing 4G technologies. Huawei says it can support 10,000 HD camera feeds at the same time.
Huawei supplies the hardware and software components for factory devices to connect up to its data network, in the form of a low-power LTE sensor chip for machine communications (LTE-M) and a ‘Smart IoT Gateway’ to simplify connectivity between devices.
Huawei’s LTE-M chip is a mainstream solution for next generation machine communications, which works in the industrial, scientific and medical (ISM) radio bands, reserved internationally for purposes other than commercial telecoms.
It is designed to support high data rates and bandwidth. It provides coverage at 1km radius, and 10,000 connections per cell, which effectively means a single base station, will provide blanket coverage and capacity in a mid-sized enterprise campus. It also uses very little power, enabling 10 years of operation without changing the battery, making it well suited for complex factory set-ups.
Another key part of Huawei’s Industry 4.0 proposition is its Smart IoT gateway, which supports various interfaces and enables unified access across many smart devices. It is also providing a management platform to help factories manage and process Big Data, and cloud architecture to supports multi-application collaboration on distributed platforms, bring efficiencies to engineering, production, warehousing, sales and distribution.
Solutions that integrate industry clouds, agile networks, eLTE , 5G, smart IOT gateway and smart devices with in-built LTE-M chipsets will bridge the gap between machines, people and data.”

STANDARDS AND APPLICATIONS

Nevertheless, we remain behind the starting blocks of this revolution. Major work has still to be done to standardise and apply these new technologies in myriad industrial settings.
Patrick Zhang, president of Huawei’s marketing and solutions department says: “Unprecedented amounts of data will be generated as a result of massive amounts of information being exchanged between people, between machines, and between people and machines.
“Managing this data will require complex tools, powerful communications infrastructure and reliable security. Rebuilding industry for the 21st century and beyond will require the cooperation of all its stakeholders, including manufacturers, governments, academia and ICT providers.”
Huawei makes a point of highlighting its collaboration with software provider SAP, research organisation Fraunhofer and semiconductor manufacturer NXP to automate maintenance of construction equipment. With its embedded smart vehicle gateway installed in construction vehicles, faults can be identified before they occur.
Failure rates can be reduced by up to 70 per cent, and vehicle downtime from two hours to just 30 minutes per months, compared with routine manual maintenance.
Yan Lida issues a final clarion call: “Presently, there are organisations that have been set up in Europe, America and China to move Industry 4.0 forward. But without cooperation across the entire industry chain, the opportunity will not be realised. Huawei is committed to nurturing our deep relationships with other leading vendors to jointly promote the creation of a vibrant Industry 4.0 ecosystem.”

Investimento em tecnologia impulsiona produção de café em Rondônia

Foto: Renata Silva

Renata Silva - Produtividade do café em Rondônia deve aumentar 25%, diz Conab

Produtividade do café em Rondônia deve aumentar 25%, diz Conab
A colheita do café conilon em Rondônia este ano deve ser 25% superior quando comparada à de 2014, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab, junho de 2015). A cafeicultura do estado está retomando seu crescimento e tornando-se mais competitiva no mercado. A Conab apresenta estimativa de que o estado produza 1.856,8 mil sacas, 25,7% ou 379,5 mil sacas acima da produção de 2014, mesmo com a redução da área de cafeicultura do estado, que vem ocorrendo nos últimos quatro anos. Adoção de tecnologias, introdução de café clonal com material genético de melhor qualidade nas lavouras entre outros fatores são apontados como responsáveis por estes bons resultados.
Para o pesquisador da Embrapa Rondônia, Enrique Alves, está ocorrendo uma evolução da cafeicultura no estado. “O amadorismo, aos poucos, é substituído pelo empreendedorismo. São os novos produtores, ou a nova maneira de se trabalhar a cafeicultura no estado. Essa evolução consta do uso de tecnologias e o manejo adequado da lavoura. O uso de variedades clonais, irrigação, o manejo da poda em conjunto com a nutrição de plantas são os principais fatores dessa mudança de cenário da cafeicultura no estado. E a Embrapa, atenta a isso, oferece aos produtores tecnologias que podem ser adotadas para melhorar produtividade e a qualidade do café no estado”, explica.

Neste contexto, a nova cultivar desenvolvida pela Embrapa, conilon BRS Ouro Preto, é a aposta para os próximos anos. Ela está começando a chegar aos cafeicultores de Rondônia e região. Desenvolvida pela Embrapa Rondônia em parceria com o Consórcio Pesquisa Café, é recomendada para o estado e região. A BRS Ouro Preto possui 15 clones e foi obtida pela seleção de cafeeiros com características adequadas às lavouras comerciais do estado e adaptada ao clima e ao solo da região. “Esta cultivar tem condições de promover a inserção competitiva da agricultura familiar no mercado, além de contribuir para a sustentabilidade econômica e social de aproximadamente 22 mil pequenas propriedades rurais cafeicultoras no estado”, afirma o pesquisador da Embrapa Rondônia, André Rostand.

Nos últimos cinco anos, a área cultivada com café conilon em Rondônia decresceu de 153.391 hectares em 2011 para 87.657 hectares em 2015. Mas, no mesmo período, a produtividade saltou de 9,3 (2011) para 21,2 sacas/ha (2015). As novas áreas com o café clonal estão diretamente relacionadas ao aumento de produtividade. Este tipo de café possui produtividade superior ao café convencional.

A cultivar de café BRS Ouro Preto tem potencial de produtividade de 70 sacas beneficiadas por hectare em lavouras sem irrigação, podendo superar as 110 sacas com irrigação. Número expressivo, quando comparado à produtividade média do estado. Para o pesquisador, a BRS Ouro Preto está chegando ao campo em um excelente momento, em que os cafeicultores estão mais atentos à importância do uso de tecnologias e adotando nas lavouras e a BRS Ouro Preto é indicada para cafeicultores que já adotam algumas tecnologias básicas, como adubação, manejo de pragas e doenças, entre outras.

A comercialização da BRS Ouro Preto é realizada apenas por meio de viveiristas credenciados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), de maneira que a qualidade da cultivar seja mantida e entregue ao cafeicultor. Os viveiristas e seus contatos podem ser obtidos no Portal da Embrapa, no endereço: https://www.embrapa.br/busca-de-produtos-processos-e-servicos/-/produto-servico/648/cafe-brs-ouro-preto
Rondônia é destaque em cafeicultura

Rondônia é o quinto maior produtor de café do Brasil e o segundo maior produtor de café da espécie canéfora (conilon/robusta). A cafeicultura no estado conta com participação de 22 mil produtores, basicamente agricultura familiar. Os principais municípios produtores são: Cacoal, São Miguel, Alta Floresta, Machadinho, Nova Brasilândia, Ministro Andreazza, Alto Alegre, Alvorada, Buritis, Seringueiras, Ji-Paraná, Novo Horizonte e Santa Luzia, que juntos respondem por cerca de 93% da produção total do café no estado.

Renata Silva (MTb 12361/MG) 

PALESTRA VIA SKYPE – “ENTENDENDO A MANUFATURA DIGITAL”

TEMA:  “ENTENDENDO A MANUFATURA DIGITAL” 
Objetivo
Essa palestra tem o objetivo de esclarecer o conceito da manufatura digital de forma simples e objetiva, elencar suas principais atividades, benefícios que podem ser alcançados e dificuldades enfrentadas para sua implantação. De modo geral, tem o objetivo de romper o paradigma criado a seu respeito e estimular o seu uso. Afinal, o real entendimento sobre qualquer que seja o tema acarreta o seu uso adequado. 
Conteúdo programático 
  • Entendimento sobre o conceito da manufatura digital;
  • Principais ferramentas utilizadas
  • Benefícios esperados com essa metodologia;
  • Barreiras e dificuldades em sua implementação;
  • Conclusão e abertura para dúvidas. 
Carga Horária
1 hora 
Público-alvo 
Este curso é destinado a gestores, coordenadores, líderes, analistas, consultores ou qualquer profissional envolvido com atividades relacionadas a manufatura, tais como, desenvolvimento de processos, layouts, equipamentos, programação de robôs e afins. Direcionado também para alunos de graduação e pós-graduação dos cursos de engenharia e administração, que tenham como objetivo entender sobre o tema. 
Data e Horário 
Todas as Quartas-Feiras – Início 20:00 – Término – 21:00  
SOBRE O PALESTRANTE 
RENAN CORADINE MOLIGA CARDOSO 
Mais de 5 anos de experiência em projeto de layout digital, desenvolvimento de processos, modelagem e simulação de sistemas de produção, otimização de fluxo de materiais e análise de novas alternativas de processos produtivos. Atua como especialista em Manufatura Digital, tendo como principais atividades o desenvolvimento de melhoria continua através do conceito de Lean Manufacturing e auxilio de simulações. 
Formação: Graduado em Engenharia de Produção pela FEI. Premiado como o aluno de melhor aproveitamento do curso de Engenharia de Produção do ano de 2012. Premiado pelo simpósio do INOVA FEI com o projeto “MANUFATURA VIRTUAL”. Cursando MBA em Gestão Estratégica da Inovação Tecnológica na UFSCAR.
Experiências Relevantes: Atualmente como Engenheiro de Manufatura na General Motors. Liderei a prática de PLM dentro do laboratório de manufatura digital da SPI. Realizo trabalhos como consultor para assuntos relacionados à Manufatura Digital. Experiência em implantação e aplicação das plataformas de PLM e Manufatura Digital dos principias players do mercado, dentre eles Siemens PLM, Dassault Systems e SAP 3DVE 
Valores 
R$ 50,00/ participante 
* Máximo de 9 participantes por palestra 
Para agendar acesse o link abaixo: 

Ok! Entendi o conceito da manufatura digital, mas por onde eu começo?

Após alguns estudos, acompanhamentos e participação em algumas implantações, consegui entender e sumarizar a implementação dessa estratégia em 10 passos principais.
Este post tem o objetivo de evidenciar de forma resumida esses passos que acabam se tornando essenciais para o sucesso da adoção da manufatura digital.
Os 10 passos principais
Toda e qualquer estratégia que será implantada deve seguir algum procedimento ou estará fadada ao fracasso, para a manufatura digital não seria diferente. Dessa forma, os passos necessários para a estruturação da manufatura digital são:
1- Procure um consultor sobre o tema: O consultor será o profissional responsável por auxiliar e facilitar a implantação do conceito de manufatura digital na organização.
2- Determine as necessidades: Deve ocorrer o mapeamento dos processos da organização para entender onde a manufatura digital pode atuar, melhorando dessa forma a estratégia e vantagem competitiva da empresa.
3- Monte uma equipe responsável por essa nova estratégia: Esta etapa tem o objetivo de selecionar os profissionais que serão responsáveis pela realização das atividades relacionadas à manufatura digital.
4- Avalie os potenciais fornecedores: Trata-se da busca no mercado por fornecedores de softwares que contemplam o conceito de manufatura digital e são necessários para atender as necessidades da empresa.
5- Verifique requisitos de Infraestrutura e Hardwares: Análise interna da infraestrutura da empresa e aquisição de hardware necessário para implantar as ferramentas da manufatura digital.
6- Implante o conceito: Etapa na qual ocorre a montagem do ambiente de trabalho e o acompanhamento das instalações dos softwares voltados à manufatura digital.
7- Treine o time responsável: Capacitação da equipe responsável pelo desenvolvimento das atividades relacionadas à manufatura digital.
8- Defina e priorize metas a serem alcançados: Definição de metas a serem atingidas com a implantação dessa nova estratégia.
9- Crie um cronograma de evolução das atividades: Cronograma das atividades que devem ser realizadas com o objetivo de alcançar as metas traçadas.
10- Monitore as atividades: Monitoramento e acompanhamento das atividades para garantir que tudo esta sendo realizado conforme planejado.
Conclusão
Esses passos são apenas sugestões dos procedimentos que julgo necessário para a implantação da manufatura digital de forma adequada. Obviamente que cada empresa pode adotar a estratégia que julgar necessária para incorporar a manufatura digital a sua realidade.

Por: Renan Cardoso

Innovation Project Specialist at General Motors
https://www.blogger.com/blogger.g?blogID=6031652973119770019#editor/target=post;postID=1897359274786537963

USINA 4.0 – O Setor Sucroenergético e a Indústria 4.0

Apresentação:

http://pt.slideshare.net/MHVenturelli/usina-40-o-setor-sucroenergtico-e-a-indstria-40?utm_source=slideshow02&utm_medium=ssemail&utm_campaign=share_slideshow_loggedout

  1. 1. USINA 4.0 A QUARTA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO SETOR BIOENERGÉTICO
  2. 2. CONCEITO • INDUSTRIA 4.0 – Conceitos de Convergência da TA Tecnologia da Automação e TI Tecnologia da Informação, que estão promovendo a chamada 4ª Revolução Industrial. • USINA 4.0 – Aplicação de Conceitos da INDÚSTRIA 4.0 no Setor Bioenergético. MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 2
  3. 3. HISTÓRIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 3
  4. 4. INTERNET INDUSTRIAL PESSOAS INFORMAÇÃO INTERNET PESSOAS INFORMAÇÃO MÁQUINAS / EQUIPAMENTOS INTERNET INDUSTRIAL MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 4
  5. 5. EVOLUÇÃO DA AUTOMAÇÃO NO SETOR MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 5
  6. 6. COMO É HOJE ! VAI CHOVER? QUAL O IMPACTO, NA PRODUÇÃO? COMO ANTEVER? QUAL PRODUTO PRODUZIR NO MELHOR VALOR DE MERCADO? COMO ESTÁ O CONSUMO E DEMANDA DE MEUS PRODUTOS NO MERCADO? OCORRENCIAS DA ÁREA AGRÍCOLA AFETAM A INDÚSTRIA SEM PREVISÃO OS EQUIPAMENTOS QUEBRAM, ESTÃO RUINS E NÃO SEI QUAIS OCORRENCIA PREVER. PROGRAMO A FÁBRICAÇÃO EM PRODUÇÃO PUXADA TOMO DECISÕES BASEADO EM AÇÕES LOCAIS E PONTUAIS, NÃO VEJO CONJUNTO MEUS FORNECEDORES NÃO SABEM DE MEUS CONSUMOS E ÍNDICES DE QUALIDADEMAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 6 LABORATÓRIO OFF-LINE
  7. 7. PARA ONDE CAMINHAMOS… DADOS DO CLIMA REGULARÃO A PRODUÇÃO VALOR AÇÚCAR, ETANOL E ENERGIA, GERARÁ DEMANDA NA INDÚSTRIA DEMANDA DO GOVERNO/CLIENTE PROJETA DEMANDA AUTOMÁTICA INFORMAÇÕES AGRÍCOLAS RELACIONADAS COM A INDÚSTRIA E SEUS IMPACTOS TODOS INSTRUMENTOS ESTÃO INTERCONECTADOS MANUTENÇÃO / OTIMIZAÇÃO INTELIGENTE AS DECISÕES SERÃO TOMADAS BASEADA EM TODAS AS VARIÁVEIS CARACTERÍSTICAS DO INSUMO ON-LINE NA PRODUÇÃO MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 7 LABORATÓRIO ON-LINE PROGRAMO A FÁBRICAÇÃO EM PRODUÇÃO SOB- DEMANDA
  8. 8. BASE TECNOLÓGICA DA INDÚSTRIA 4.0 MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 8 TERMINOLOGIA DA INDÚSTRIA 4.0 IIoT – Industrial Internet of Things IPV6 – Forma de Endereçamento IP 128bits Big Data – Banco de Dados com Perfil Dinâmico e Volátil SOA – Arquitetura Orientada a Serviços Virtualização – Simulação da Produção com Softwares RFID – Identificação de Produtos por Radiofrequência OPC-UA – Padrão de Comunicação que Permite Interconectividade Wireless – Comunicação Entre Equipamentos Sem Fio Computação Cognitiva – Sistemas que “Aprendem” para Tomada de Decisões
  9. 9. USINA 4.0 NA PRÁTICA MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 9 Interoperabilidade dos sistemas, pessoas e informações, tudo se intercomunica no sistema Ciberfísico Virtualização da fábrica, uso de modelos conectados com os sistemas físicos Descentralização dos sistemas, permitindo que os subsistemas tomem decisões dentro do conjunto Banco de dados em tempo real, capacidade de coletar, analisar e fornecer conhecimento da cadeia produtiva em tempo real Orientação a serviços, todos os sistemas, pessoas e informações publicam e consomem informações de acordo com a demanda do modelo produtivo Modularidade de todo o sistema, permitindo alta flexibilidade de mudanças de requisitos, substituição ou expansão da fábrica de forma inteligente
  10. 10. O QUE É HOJE A INDUSTRIA 4.0 • UNIVERSO CIBER-FISICO (MÁQUINA + INFORMAÇÃO + HOMEM) • É MAIS UMA IDÉIA UM CONCEITO DO QUE UMA REALIDADE • ESTÁ EM FASE DE TRANSIÇÃO • MUDARÁ A FORMA DE ATENDER AS DEMANDAS INDUSTRIAIS • SERÃO PLANTAS SUSTENTÁVEIS MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 10
  11. 11. BENEFÍCIOS • Redução de Custos • Economia de Energia • Aumento da Segurança • Conservação Ambiental • Redução de Erros • Fim do Desperdício • Transparência nos Negócios • Aumento da Qualidade de Vida • Personalização e Escala sem Precedentes MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 11
  12. 12. PROJETANDO SISTEMAS DIMENSÕES ATUAL INDUSTRIA 4.0 Instrumentação e Medição Protocolos Industriais Ethernet e Wireless Controle PLC e DCS (centralizado / descentralizado) PAC e PC (descentralizado) Infraestrutura Redes e Servidores Internet, Virtualização e Cloud Operação Scada e IHM Mobile e Virtualizada Manutenção Gestão do Ativo Gestão Baseado em Evento Gestão da Produção MES MOM – IIoT /Big Data Apoio a Tomada de Decisões Simuladores Computação Cognitiva MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 12
  13. 13. DESAFIOS DA INDÚSTRIA 4.0 • Cibersegurança • Legislação • Uma mesma linguagem (padronização) • Faltam profissionais preparados • Poderá levar anos ou décadas para uso • Depende dos elementos (Governo, Capital e Educação) MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 13
  14. 14. COMO SE PREPARAR MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 14
  15. 15. CONCLUSÕES A Indústria 4.0 é um novo conceito que será uma realidade, mudará a forma como lidamos hoje com a produção de Etanol, Açúcar e Energia Elétrica. MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 15
  16. 16. AUTOR MAR/2015 USINA 4.0 – A Quarta Revolução Industrial no Setor Sucroenergético – Márcio Venturelli 16 • Márcio Venturelli trabalha no mercado de automação industrial há 20 anos, tendo atuado em diversos departamentos, tais como, assistência técnica, treinamentos, comissionamento, projetos, engenharia, marketing e negócios. • Trabalhou em diversos projetos de implantação de sistemas de automação de plantas de bioenergia, transformação e manufatura, no Brasil e no exterior. • Atualmente trabalha em desenvolvimento de mercados e tecnologia, com foco em soluções de sistemas de automação industrial, tendo como diretrizes viabilidades técnicas e financeiras, otimização e gestão industrial. • É professor universitário de pós-graduação de automação industrial e gerenciamento de projetos. • Membro Sênior da ISA (Sociedade Internacional da Automação) e Presidente da Seção ISA Sertãozinho-SP, Membro do PMI-SP (Instituto de Gerenciamento de Projetos), Diretor de Safety Bus da PI (Associação Profibus/Profinet Internacional) e Coordenador do Comitê de Automação Industrial do CEISE Br. • Graduado em Ciência da Computação – Especialista em Automação Industrial, Pós-Graduado em Gestão Industrial e Petróleo e Gás. MBA em Estratégia de Negócios. • E-mail: venturelli.tia@gmail.comJUL/2015
  17. 17. USINA 4.0 A QUARTA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO SETOR BIOENERGÉTICO

Por: Sistema FIRJAN – Internet das Coisas e Indústria 4.0 abrem novos mercados

A internet das coisas (IoT, de Internet of Things) está transformando o modo de produção e consumo em todo o mundo, com oportunidades para o surgimento de novos mercados e modelos de negócio. O conceito pressupõe uma rede de sistemas, com tecnologia que se comunicam de forma independente.
Essa integração permite que objetos utilizados no dia a dia, como relógios, eletrodomésticos, utensílios e roupas, armazenem informações e interajam de forma inteligente com o ambiente externo. De acordo com Bruno Gomes, diretor de Inovação do Sistema FIRJAN, a difusão da internet das coisas no Brasil está condicionada à superação de alguns desafios, como a criação de uma política nacional para preparar o país para esse mercado.
Para o diretor, existem questões fundamentais a serem discutidas, como a melhoria no acesso à internet pela indústria e pela sociedade, as quais irão consumir dados em escala cada vez maior: “A IoT ainda é um tema novo no país, e temos dificuldade de encontrar, na política industrial nacional, incentivos estruturantes e contínuos”.
Considerada uma revolução tecnológica, a IoT ganha cada vez mais importância pelas possibilidades que traz tanto em sua vertente tecnológica quanto social. No primeiro caso, impulsionará o desenvolvimento de eletrônicos e infraestrutura, necessários à sua viabilização. Já no segundo, a mudança cultural trazida por esse cenário estimulará novos hábitos de consumo, criando um aumento de demanda por produtos inteligentes.
No novo ciclo econômico proporcionado por essa revolução, a venda de produtos acoplados a serviços para o consumidor final, é um dos modelos de negócio que ganha força. São objetos tradicionais, como chuveiros, que, conectados, informam quando o volume de água do banho ultrapassa o recomendado, por exemplo. O produto passa a ser uma commodity, e seu valor estará na função intangível – o serviço – que exerce.
O foco em nichos também é uma tendência que pode ser explorada e trazer muitas oportunidades. Ao dispor de mais informações de consumo e estilo de vida dos clientes, as empresas se tornam aptas a oferecer produtos e soluções personalizados, atingindo com mais assertividade seu público-alvo. A aproximação com stakeholders e clientes, no contexto da IoT, passa a ser, mais do que em qualquer outro tempo, um fator de competitividade para as empresas.
Indústria 4.0 no Brasil
A IoT é um dos aspectos-chave da Indústria 4.0, conhecida como a Quarta Revolução Industrial. O conceito surgiu na Alemanha, a partir de uma política do governo para aumentar a competitividade industrial do país por meio da automatização das fábricas. Trata-se de um modelo em que a tecnologia digital se funde à indústria tradicional. Nele, todos os processos dentro e em torno de uma planta operacional são integrados por meio da conexão a um sistema de rede, formando, assim, a chamada fábrica inteligente.
Essa inovação proporciona benefícios como o incremento da produtividade e redução de custos e de tempo para fabricação de produtos de maior qualidade. Projeções da consultoria McKinsey apontam que, em 2025, o ganho proporcionado por essa tecnologia no mundo pode ser de 1,2 trilhão a 3,7 trilhões de dólares.
Para se inserir nesse modelo, o Brasil encontra desafios relevantes, que podem ser transformados em oportunidades. Por estar em um estágio anterior, de transição para a Indústria 3.0, o setor produtivo nacional pode otimizar esse movimento e absorver as tecnologias 4.0, queimando uma etapa do ciclo de evolução.
No estado do Rio, de acordo com uma pesquisa realizada pela Federação com 420 empresários fluminenses, mais da metade dos industriais já identifica tecnologias importantes para a competitividade do setor nos próximos cinco anos. Entre os principais benefícios esperados com sua aplicação está a redução dos custos e o aumento da produtividade.
SENAI prepara para novas tendências
A fim de preparar os empresários para essas transformações, o SENAI realiza um monitoramento de tendências tecnológicas por meio do Mapa de Rotas Tecnológicas e elaboração de estudos técnicos.
“Os Institutos SENAI de Tecnologia e o de Inovação também estão aderentes a esses movimentos. Temos consultorias diversas desde automação até prototipagem de sistemas e equipamentos, além de linhas de pesquisas específicas para IoT”, destaca Bruno Gomes.